São Tomé e Príncipe: chuvas torrenciais fazem dois mortos e quatro desaparecidos

 

Dois mortos e quatro desaparecidos é o balanço das fortes chuvas que assolaram as ilhas de São Tomé e Príncipe. Há mais de trinta anos que não se registava um fenómeno meteorológico extremo desta dimensão. Os prejuízos são muito avultados.


Uma das mortes registou-se no distrito de Lembá, ao norte da ilha de São Tomé, e a outra morte aconteceu no centro da ilha com o mesmo nome.

No distrito de Lembá, foram destruídas várias residências, quatro pontes, para além do centro de tratamento e distribuição de água que abastece a cidade de Neves.

A ministra dos negócios estrangeiros, cooperação e comunidades, Edite Tenjua, reuniu-se com o corpo diplomático acreditado em São Tomé e Príncipe para fazer o ponto de situação, e mobilizar possíveis apoios de parceiros bilaterais e multilaterais.

Edite Tenjua diz que o objetivo da reunião foi “naturalmente pedir, dentro daquilo que é possível, o apoio dos nossos parceiros quer bilaterais, quer multilaterais, e ver como é que, juntos, nós podemos debelar esta situação que se abate sobre todos nós que estamos, neste momento, no território”

Carlos Vila Nova, o presidente da república, disse que ficou triste com a realidade constatada.

“Sobre o que vi ao longo do dia de hoje, não há muito para dizer, mas há muito para sentir”, palavras do presidente de São Tome e Príncipe, Carlo Vila Nova.

Há mais de trinta anos que o país não vivia um fenómeno extremo desta natureza.

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, há uma forte ligação com o fenómeno das alterações climatéricas.

Post a Comment